Glicogênese

Corresponde a síntese de glicogênio que ocorre no fígado e músculos (os músculos apresentam cerca de 4 vezes mais glicogênio do que o fígado em razão de sua grande massa).

O glicogênio é uma fonte imediata de glicose para os músculos quando há a diminuição da glicose sangüínea (hipoglicemia).

A primeira reação do processo glicolítico é a formação de glicose-6-fosfato (G6P) a partir da fosforilação da glicose. A insulina induz a formação de glicose-1-fosfato pela ação da enzima fosfoglicomutase que isomerisa a G6P. A partir daí, há a incorporação da uridina-tri-fosfato (UTP) que proporciona a ligação entre o C1 de uma molécula com o C4 de outra ligação (catalisada pela enzima glicogênio sintase), formando uma maltose inicial que logo será acrescida de outras, formando um polímero a(1- 4). A ramificação da cadeia ocorre pela ação da enzima ramificadora (amido-1-4,1-6-transglucosidase) que transfere cadeias inteiras para um C6, formando ligações a(1- 6).

O glicogênio fica disponível no fígado e músculos, sendo consumido totalmente cerca de 24 horas após a última refeição.

Na Tabela abaixo, pode-se observar a quantidade de glicose disponível para o ser humano, levando em considerações as reservas hepáticas e musculares de glicogênio.

Peso Relativo

Massa Total

Glicogênio Hepático

4,0 %

72 g (1)

Glicogênio Muscular

0,7 %

245 g (2)

Glicose extracelular

0,1 %

10 g (3)

TOTAL

-

327 g
Armazenamento de carboidratos em homens adultos normais (70 kg). (1) Peso do fígado: 1.800g; (2) Massa muscular: 35kg: (3) Volume total: 10 litros.

Adaptado de MURRAY et al., 1994, p.181).


Para voltar para a página anterior, clique no boão BACK (para trás) de seu navegador.

  Voltar para a HomePage