NOTURNO DE BELO HORIZONTE
                    a Elysio de Carvalho (também não sei quem é!)

                 (1924)

Maravilha de milhares de brilhos vidrilhos,
Calma do noturno de Belo Horizonte...
O silêncio fresco desfolha das árvores
E orvalha o jardim só.
Larguezas.
Enormes coágulos de sombra.
O polícia entre rosas...
         Onde não é preciso, como sempre...
Há uma ausência de crimes
Na jovialidade infantil do friozinho.
Ninguém.
O monstro desapareceu.
Só as árvores do mato-virgem
Pendurando a tapeçaria das ramagens
Nos braços cabindas da noite.
Que luta pavorosa entre floresta e casas...
Todas as idades humanas
Macaqueadas por arquiteturas históricas
Torres torreões torrinhas e tolices
Brigaram em nome da?
Os mineiros secundam em coro:
- Em nome da civilização!
Minas progride.
Também quer ter também capital moderníssima também...
Pórticos gregos do Instituto do Rádio
Onde jamais Empedocles entrará...
O Conselho Deliberativo é manuelino,
Salão sapiente de Manueis-da-hora...
Arcos românticos de São José
E a catedral que pretende ser gótica...
Pois tanto esquecimento da verdade!
A terra se insurgiu.

O mato invadiu o gradeado das ruas,
Bondes sopesados por troncos hercúleos,
Incêndio de Cafés,
Setas inflamadas,
Comboio de transfugas para o Rio de Janeiro,
A ramaria crequenta cegando as janelas
Com a poeira dura das folhagens...
Aquele homem fugiu.
A imitação fugiu.
Clareiras do Brasil, praças agrestes!...
Paz.

O mato vitorioso acampou nas ladeiras.
Suor de resinas opulentas.
Grupos de automóveis.
Baitacas e jandaias no rosal.
E o noturno apagando na sombra o artifício e o defeito
Adormece em Belo Horizonte
Como um sonho mineiro.
Tem festas do Tejuco pelo céu!
As estrelas baralham-se num estardalhaço de luzes.
O sr. barão das Catas-Altas
Reúne todas as constelações
Pra fundir uma baixela de mundos...
Bulício de multidões matizadas...
Emboabas, carijós, espanhóis de Felipe IV...
Tem baianos redondos...
Dom Rodrigo de Castel Branco partirá!...
Lumeiro festival... Gritos... Tocheiros...
O Triunfo Eucarístico abala chispeando...
Os planetas comparecem em pessoa!
Só as magnólias - que banzo dolorido! -
As carapinhas fofas polvilhadas
Com a prata da Via Láctea
Seguem pra igreja do Rosário
E pro jongo de Chico-Rei...

Estrelas árvores estrelas
E o silêncio fresco da noite deserta.
Belo Horizonte desapareceu
Transfigurada nas recordações.

...Minas Gerais, fruta paulista...
Ouvi que tem minas ocultas por cá...
Mas ninguém mais conhece Marcos de Azevedo,
Quedê os roteiros de Roberio Dias?
                        Prata
            Diamantes cascateantes
Esmeraldas esmeraldas esperanças!....

Não são esmeraldas, são turmalinas, bem se vê:

A casinha a taipa à beira-rio.
Canoa abicada na margem,
A bruma das monções,
Mais nada.
Os galhos lavam matinalmente os cabelos
Na água barrenta indiferente.
As ondas sozinhas do Paraíba
Morrem avermelhadas mornas cor-de-febre.
E a febre...

Não sejamos muito exigentes.
Todos os países do mundo
Têm os seus Guaicuís emboscados
No sossego das ribanceiras dolentes.
As carneiradas ficavam pra trás...
O trem passava apavorado.
Só parou muito longe na estação
Pra que os romeiros saudassem
Nosso Senhor da Boa-Viagem.

Ele ficava imóvel na beira dos trilhos
Amarrado à cegueira
Trazia só os mulambos necessários
Como convém aos santos e
Aos avarentos.
Porém o netinho corria junto das janelas dos vagões
Com o chapéu do cego na mão.
Quando a esmola caía - com que triunfo! - o menino gritava:
- Pronto! Mais uma!
Então lá do seu mundo
Nosso Senhor abençoava:
- Boa viagem.

Examina a carne do teu corpo.
Apesar da perfeição das estradas-de-ferro
E da inflexível providência dos horários,
Encontros descarrilamentos mortes...
Pode ser!...
As esmolas tombavam.
- Pronto! Mais uma!
- Boa viagem.

Minas Gerais de assombros e anedotas...
Os mineiros pintam diariamente o céu de azul
Com os pincéis das macaúbas folhudas.
Olhe a cascata lá!
Súbita bombarda.
Talvez folha de arbusto, 
Ninho de tenenem que cai pesado,
Talvez o trem, talvez ninguém...
As águas se assustaram
E o estouro dos rios começou.

Vão soltos pinchando rabanadas pelos ares,
Salta aqui salta corre viravolta pingo grito
Espumas brancas alvas
Fluem bolhas bolas,
Itoupavas altas...
Borbulham bulhando em murmúrios churriantes
Nas bolsas brandas largas das enseadas lânguidas...
De sopetão fosso.
                       Mergulho.
                                   Uivam tombando.
Desgarram serra abaixo.
Rio das Mortes
Paraopeba
Paraibuna,
Mamotes brancos...
E o Arassuí de Fernão Dias...
Barafustam vargens fora
Até acalmarem muito longe exanimes
Nas polidas lagoas de cabeça pra baixo.

Rio São Francisco o marroeiro dos matos
Partiu levando o rebanho pro norte
Ao aboio das águas lentamente.
A barcaça que ruma pra Juazeiro
Desce ritmada pelos golpes dos remeiros.
Na proa, o olhar distante a olhar,
Matraca o dançador:

            "Meu pangaré arreado,
            Minha garrucha laporte,
            Encostado no meu bem
            Não tenho medo da morte.
                        Ah!..."

Um grande Ah!... aberto e pesado de espanto
Varre Minas Gerais por toda a parte...
Um silêncio repleto de silêncio
Nas invernadas nos araxás
No marasmo das cidades paradas...
Passando a fuchicar as almas,
Fantasmas de altares, de naves douradas
E dos palácios de Mariana e Vila Rica...
             Isto é: Ouro Preto.
E o nome lindo de São José d'El Rei mudado num odontológico Tiradentes...
Respeitemos os mártires.

Calma do noturno de Belo Horizonte...
As estrelas acordadas enchem de Ahs!... ecoantes o ar.
O silêncio fresco despenca das árvores.
Veio de longe, das planícies altas,
Dos cerrados onde o guache passa rápido...
Vvvvvvv... passou.
Passou talqual o fausto das paragens de ouro velho...
Minas Gerais, fruta paulista...
Fruta que apodreceu.

Frutificou mineira! Taratá!
Há também colheitas sinceras!
Milharais canaviais cafezais insistentes
Trepadeirando morro acima.
Mas que chãos sovinas como o mineiro-zebu!
Dizem que os baetas são agarrados...
Não percebi, graças a Deus!
Na fazenda do Barreiro recebem opulentamente.
Os pratos nativos são índices de nacionalidade.
Mas no Grande Hotel de Belo Horizonte servem à francesa.
Et bien! Je vous demande un toutou! 
Venha a batata-doce e o torresmo fondant!
Carne-de-porco não!
O médico russo afirma que na carne-de-porco andam 
micróbios de loucura...
Basta o meu desvairismo!

E os pileques
                        quase pileques
                                      salamaleques
                                                    da caninha de manga!...

Taratá! Quero a couve mineira!
Minas progride!
Mãos esqueléticas de máquinas britando minérios,
As estradas-de-ferro estradas-de-rodagem
Serpenteiam teosoficamente fecundando o deserto...

Afinal Belo Horizonte é uma tolice como as outras.
São Paulo não é a única cidade arlequinal.
E há vida há gente, nosso povo tostado.
O secretário de Agricultura é novo!
Fábricas de calçados
Escola de Minas no palácio dos Governadores.
Na Casa dos Contos não tem mais poetas encarcerados,
Campo de futebol em Carmo da Mata,
Divinópolis possui o milhor chuveiro do mundo,
As cunhãs não usam mais pó de ouro nos cabelos,
Os choferes avançam no bolso dos viajantes,
Teatro grego em São João d'El Rei
Onde jamais Eurípides será representado...
Ninguém mais pára nas pontes, Critilo,
Novidadeirando sobre damas cansadas.
Tenho pressa! Ganhemos o dia!
Progresso! Civilização!
As plantações pendem maduras.
O morfético ao lado da estrada esperando automóveis...
Cheiro fecundo de vacas,
Pedreiras feridas,
Eletricidade submissa...
Minas Gerais saxea e atualista
Não resumida às estações-termais!
Gente do Triângulo Mineiro, Juiz de Fora!
Força das xiriricas das florestas e cerrados!
Minas Gerais, fruta paulista!...

Alegria da noite de Belo Horizonte!
Há uma ausência de males
Na jovialidade infantil do friozinho.
Silêncio brincalhão salta das árvores,
Entra nas casas desce as ruas paradas
E se engrossa agressivo na praça do Mercado.
Vento florido roda pelos trilhos.
Vem de longe, das grotas pré-históricas...
Descendo as montanhas
Fugiu dos despenhadeiros assombrados do Rola-Moça...

Estremeção brusco de medo.
Pavor.
Folhas chorosas de eucaliptos.
Sino bate.
Ninguém.
A solidão angustiosa dos píncaros...
A paz chucra ressabiada das gargantas da montanha...

      A serra do Rola-Moça
      Não tinha esse nome não...
      Eles eram do outro lado,
      Vieram na vila casar.
      E atravessaram a serra,
      O noivo com a noiva dele
      Cada qual no seu cavalo.

      Antes que chegasse a noite
      Se lembraram de voltar.
      Disseram adeus pra todos
      E puseram-se de novo
      Pelos atalhos da serra
      Cada qual no seu cavalo.
      Os dois estavam felizes,
      Na altura tudo era paz.
      Pelos caminhos estreitos
      Ele na frente ela atrás.
      E riam. Como eles riam!
      Riam até sem razão.

      A serra do Rola-Moça
      Não tinha esse nome não.

      As tribus rubras da tarde
      Rapidamente fugiam
      E apressadas se escondiam
      Lá embaixo nos socavões
      Temendo a noite que vinha.

      Porém os dois continuavam
      Cada qual no seu cavalo,
      E riam. Como eles riam!
      E os risos também casavam
      Com as risadas dos cascalhos
      Que pulando levianinhos
      Da vereda se soltavam
      Buscando o despenhadeiro.

      Ah, Fortuna inviolável!
      O casco pisara em falso.
      Dão noiva e cavalo um salto
      Precipitados no abismo.
      Nem o baque se escutou.
      Faz um silêncio de morte.
      Na altura tudo era paz...
      Chicoteando o seu cavalo,
      No vão do despenhadeiro
      O noivo se despenhou.

      E a serra do Rola-Moça
      Rola-Moça se chamou.

Eu queria contar as histórias de Minas
Pros brasileiros do Brasil...

Filhos do Luso e da melancolia,
Vem, gente de Alagoas e de Mato Grosso,
De norte e sul homens fluviais do Amazonas e do rio Paraná...
E os fluminenses salinos
E os guascas e os paraenses e os pernambucanos
E os vaqueiros de couro das caatingas 
E os goianos governados por meu avô...
Teutos de Santa Catarina, 
Retirantes de língua seca,
Maranhenses paraibanos e do Rio Grande do Norte e do Espírito Santo
E do Acre, irmão caçula,
Toda a minha raça morena!
Vem, gente! vem ver o noturno de Belo Horizonte!
Sejam comedores de pimenta
Ou de carne requentada no dorso dos pigarços petiços,
Vem, minha gente!
Bebedores de guaraná e açaí,
Chupadores do chimarrão,
Pinguços cantantes, cafezistas ricaços,
Mamíferos amamentados pelos côcos de Pindorama,
Vem, minha gente, que tem festas do Tejuco pelo céu!
Barbara Heliodora desgrenhada louca
Dizendo versos desce a rua Pará...
Quem conhece as ingratidões de Marília?
Juro que foi Nosso Senhor Jesus Cristo Ele mesmo
Que plantou a sua cruz no adro das capelas da serra!
Foi Ele mesmo que em São João d’El Rei
Esculpiu as imagens dos seus santos...
E há histórias também pros que duvidam de Deus...

        O coronel Antonio de Oliveira Leitão era casado com dona
Branca Ribeiro do Alvarenga, ambos de orgulhosa nobreza vincentina.
Porém nas tardes de Vila Rica a filha deles abanava o lenço no quintal...
– "Deve ser algum plebeu, que não há moços nobres na cidade..."
E o descendente de cavaleiros e de capitães-mores não quer saber de mésalliances.
O coronel Antonio de Oliveira Leitão esfaqueou a filha. Levaram-no preso
pra Bahia onde foi decapitado. Pois dona Branca Ribeiro do Alvarenga reuniu todos
os cabedais. Mandou construir com eles uma igreja pra que Deus perdoasse as almas
pecadoras do marido e da filha. Meus brasileiros lindamente misturados, Se vocês vierem nessa igreja dos Perdões Rezem três ave-marias ajoelhadas Pros dois desinfelizes Creio que a moça não carece muito delas Mas ninguém sabe onde estará o coronel... Credo! Mas não há nada como histórias pra reunir na mesma casa... Na Arábia por saber contar histórias Ua mulher se salvou... A Espanha estilhaçou-se numa poeira de nações americanas Mas sobre o tronco sonoro da língua do ão Portugal reuniu 22 orquídeas desiguais. Nós somos na Terra o grande milagre do amor. Que vergonha se representássemos apenas contingência de defesa Ou mesmo ligação circunscrita de amor... Porém as raças são verdades essenciais E um elemento de riqueza humana. As pátrias têm de ser uma expressão da Humanidade. Separadas na guerra ou na paz são bem pobres Bem mesquinhos exemplos de alma Mas compreendidas juntas num amor consciente e exato Quanta história mineira pra contar! Não prego a guerra nem a paz, eu peço amor! Eu peço amor em todos os seus beijos, Beijos de ódio, de cópula ou de fraternidade. Não prego a paz universal e eterna, Deus me livre! Eu sempre contei com a imbecilidade vaidosa dos homens E não me agrandam os idealistas. E temo que uma paz obrigatória Nos fizesse esquecer o amor Porque mesmo falando de relações de povo e povo O amor não é uma paz E é por amor que Deus nos deu a vida... O amor não é uma paz, bem mais bonito que ela, Porque é um complemento!... Nós somos na Terra o grande milagre do amor! E embora tão diversa a nossa vida Dançamos juntos no carnaval das gentes, Bloco pachola do “Custa mas vai!” E abre alas que Eu quero passar! Nós somos os brasileiros auriverdes! As esmeraldas das araras Os rubis dos colibris Os abacaxis as mangas os cajus Atravessam amorosamente A fremente celebração do Universal! Que importa que uns falem mole descansado Que os cariocas arranhem os érres na garganta Que os capixabas e paroaras escancarem as vogais? Que tem se o quinhentos réis meridional Vira cinco tostões do Rio pro Norte? Juntos formamos este assombro de misérias e grandezas, Brasil, nome de vegetal!... O bloco fantasiado de histórias mineiras Move-se na avenida de seis renques de árvores... O Sol explode em fogaréus... O dia é frio sem nuvens, de brilhos vidrilhos... Não é dia! Não tem Sol explodindo no céu! É o delírio noturno de Belo Horizonte... Não nos esqueçamos da cor local: Itacolomi... Diário de Minas... Bonde do Calafate... E o silêncio... sio... sio... Quiriri... Os seres e as coisas se aplainam no sono. Três horas. A cidade oblíqua Depois de dançar os trabalhos do dia Faz muito que dormiu. Seu corpo respira de leve o aclive vagarento das ladeiras. De longe em longe gritam solitários brilhos falsos Berenguendens berloques ouropéis de Oropa consagrada Que o goianá trocou pelas pepitas de ouro fino. Dorme Belo Horizonte. Seu corpo respira de leve o aclive vagarento das ladeiras... Não se escuta sequer o ruído das estrelas caminhando... Mas os poros abertos da cidade Aspiram com sensualidade com delícia O ar da terra elevada. Ar arejado batido nas pedras dos morros, Varado através da água trançada das cachoeiras, Ar que brota nas fontes com águas Por toda a parte de Minas Gerais.