Babosa

Home Chat Fórum Biblioteca Receitas Nota

 

 Um nível acima

FOLHAMAIL.GIF (1856 bytes)

Escreva-me

Sobre a autora

formiguinha2.JPG (49678 bytes)

 

Histórico ] Descrição das Espécies ] Tabela/Outras Espécies ] Formas de Manipulação ] Glossário ] Referências Bibliográficas ] Colaboradores ]

BABOSA

Anterior Próxima

Aloe Vera.JPG (22489 bytes)

Nomes Científicos: Aloe vera L., Aloe barbadensis Mill., Aloe pemk - Aloe perfoliata Vell.

Família: Liliaceae

Nomes populares : Erva-babosa, erva de azebre, caraguatá de jardim, aloe e outros.

 

Comentários:

A Babosa é uma planta nativa das zonas secas, do Sul e leste da África; naturalizada no norte da África. Está disseminada por muitos países de clima quente e úmido de quase todos os continentes. No Brasil encontra-se no sul, centro oeste e nordeste de preferência. A parte empregada é a folha.

O aloe já era usado no antigo Egito servindo para fins medicinais e religiosos, bem como para a conservação dos cadáveres mumificados. Vários escritores gregos do século primeiro tais como Plínio e Dioscorides, referem que os médicos Árabes o haviam introduzido e utilizavam muito nos países que beiram o Mediterrâneo.

É usada para:

Desmamar crianças, passando o suco no seio e como repelente de mosquito ou outros insetos.

Usa a babosa e papaconha contra o verme amarelão, da seguinte maneira: pisa a papaconha (raiz ), faz pílulas e toma 1 pílula durante 6 dias pela manhã em jejum.

Com o suco ou óleo das folhas os sertanejos untam o cabelo para acabar com a carpa, calvície e o crespidão do cabelo.

Utiliza-se as folhas da babosa para queimaduras.

O pó das folhas do aloé era misturado com mirra no tempo de Jesus e Nicodemus que levou 30 kg desta mistura para embalsamar o corpo de Jesus após a Crucificação. ( João 19:39 )

A aloína - componente principal ativo - é um glicosídeo antraquinônio de ação estomáquica e laxativa em pequenas doses, manifesta-se um purgativo drástico de ação demorada em doses mais elevadas.A BARBALOÍNA tem ação bactericida soe o bacilo da tuberculose.

Propriedades terapeuticas:

Laxativo

Drástico - provoca contrações enérgicas do intestino com fortes evacuações de fezes.

Estomáquico

Emenagogo

Anti-helmíntico

Anti-tumoral

Anti-inflamatório

Vulnerário - Contribui para a cicatrização das feridas, bem como para o tratamento das contusões.

Resolutivo - facilita a resolução das tumefações, possibilitando que os tecidos do organismo regressem a seu estado normal.

Anti-hemorroidal

Peitoral - Exerce uma ação benéfica no aparelho respirátório. As plantas béquicas e expectorantes são peitorais.

Emoliente

Revulsivo

Toxidade: Não deve ser usado internamente em crianças. Contra indicado nos períodos menstruais pois aumenta o fluxo ( provoca congestionamento nos organos pélvicos ), nos estados hemorroidais, hemorragias uterinas, na predisposição ao aborto e nas nefrites.

Doses excessivas podem provocar nefrites.

 

Composição química:

Aloés - este nome é dado ao suco das folhas de diverssas Liliaceas do Genero Aloe L. obtido por métodos convenientes e depois concentrado de modo a resultar substância sólida com características próprias.

Aloína ou Barboloína - é o principal componente fisiologicamente ativo, isolado inicialmente do Aloés das Barbadas. ( 1 a 40%. )

Aloé-emocina - parece não existir no suco recente das folhas, formar-se-á por decomposição e oxidação da Aloína durante a preparação do Aloés; encontra-se em quantidades diminutas em geral, interior a 0,5% ou nula. Segundo pesquisas na China exerce ação anti-tumoral.

Barbaloresinotanol ( Resina 11 a 15% ), separa-se raças a sua insoluilidade em água fria. A Resina é um Éster do Ácieo Cinâmico ligado a um álcool resinoso, o Resinotanol.

Aloinósidos - Encontra-se em pequenas quantidades e teria ação semelhante a Aloína.

Aloitina - matéria corante ( Robiquet. )

Aloe-glicoproteína - pesquisas recentes no Japão isolaram glicoproteína responsável pela ação anti-inflamatória.

Essência - de composição desconhecida e certamente variável com o tipo de aloés, encotra-se em quantidades muito pequenas.

Mucilagem - localizada nas folhas e pela hidrólise origina Glocose, Manose, e ainda, cerca de 2,37% de Ácido Urônico.

 

BARRARVORES.GIF (17453 bytes)

 

NOTA: Ações farmacológicas das mucilagens.

 

As substâncias mucilaginosas, incluindo as gomas, pectinas e até os amidos, que formam com a água soluções viscosas, utilizam-se na terapêutica pela sua ação protetora das mucosas inflamadas, das vias respiratórias, digestivas, genito-urinárias, por impedirem a atividade de substâncias irritantes e promoverem também a diminuição do estado inflamatório, mitigando as dores.

Atuam indiretamente como laxativos: por absorverem uma grande quantidade de água evitam o endurecimento das fezes; depois, devido ao aumento do volume do olo intestinal empresta-lhe uma consistência normal e facilitam a sua movimentação, ao mesmo tempo que excitam por via reflexa as contrações intestinais.

Em certos casos atuam como antidiarréicos, devido à sua natureza coloidal, pois impedem ação das substâncias irritantes sobre a mucosa intestinal, talvez até das bactérias.

Externamente usam-se sob a forma de cataplamas, por conservarem durante mais tempo o calor úmido sobre certas zonas do corpo que suportam inflamações de origem bacteriana ou reumatismal, provocando aí uma congestão sanguínea ( hiperemia ) benéfica.

Utilizam-se muitas vezes em farmácia. Tem a vantagem de diminuir a atividade irritante de certos fármacos e de lhes corrigir o gosto, particularmente a sensação de acidez, motivo por que se empregam associados. Esta propriedade manifesta-se já nos frutos: explica-se assim o gosto ácido menos pronunciado das framboesas, apesar de conterem mais ácidos livre que as groselhas, devido ao maior conteúdo de mucilagens.

Usam-se como estabilizadores na preparação de emulsões, pomadas, pastas etc.; nas tabelas, para facilitarem a desagregação, etc.; em bactereologia, nos meio de cultura; na análise química, como colóides protetores.

A indústria alimentar emprega-se no fabrico de geléias, de doces diversos, etc. Nas outras indústrias têm muitas vezes aplicações análogas às das gomas.

Assinalam-se algumas incompatibilidades, na preparação de medicamentos, com substâncias que precipitam as mucilagems das suas soluções: álcool, taninos, sais de ferro, etc...

 

BARRARVORES.GIF (17453 bytes)

 

USOS/APLICAÇÕES/FORMAS/COMO PREPARAR DOSES

 

Queimaduras pelo sol, fogo e radiações

Emplastro

Passar a folha pelo calor do fogo. Retirar a cutícula, e colocar na zona afetada. Repetir a operação  quando for necessário.

 

Panarício, tumores, espetadelas e golpes

Emplastro

O mesmo do anterior. Repetir quando for necessário.

 

Caspa, dematites, seborréicas

Massagem na cabeça. Retirar a cutícula, esfregar no couro cabeludo. Deixar 15 minutos ao sol, depois enxaguar. Fazer esta operação em dias alternados.

 

Hemorróida (Retitis Tenesmo Hemorroide)

Supositórios

Corta-se a cutícula da folha. Com a polpa corta-se em forma de supositório. Coloca-se no congelador para que fique duro. Aplicar supositório cada 4 horas.

 

Bronquites

Maceração

Polpa de folha de babosa... 10 gramas retalhe, lave 9 vezes, adicione 10 gramas de açúcar, deixe macerar por 8 a 10 hs. Tomar uma colher de sopa pela manhã em jejum.

 

BARRARVORES.GIF (17453 bytes)

Este é o número de visitas a esta página até o momento.

BOTÃRVORE.GIF (419 bytes)

Anterior Próxima