ANÁLISE ESTATÍSTICA – Casos Apométricos

Dr. Ivan Hervé Viana

Grupo Espiritualista João Pedro – Porto Alegre - RS

Palestra proferida no Quarto Encontro Regional de Apometria

02 a 03 de maio de 1998 – Lages - SC

O grupo trabalha em busca da verdade. Tudo o que estuda e faz procura estar sempre dentro da ciência. A ciência tem se modificado, a ciência também está em busca. O homem é finito e está em busca do infinito. Isto é anedótico, é impossível compreender. São necessários muitos dados para comparação e verificação nas pesquisas. Quanto mais dados melhor. Precisamos de estatística que abranjam dados no tempo, e muito tempo, com muito critério e seriedade.

Em abril de 1989, o grupo adotou o prontuário – anotavam todos os dados – procuravam fazer uma anamnese médica e espiritual. Possibilitou durante 10 anos examinarem 3.049 casos. Todos com acompanhamento. Foram feitas observações rigorosas. Observaram os seguintes aspectos principais: Muitos na primeira consulta foram embora. Têm no entanto, pacientes em tratamento há cinco anos continuados, tais como problemas físicos avantajados, problemas mentais ligados a situações de passado, tem autistas sendo tratados por períodos superiores há dois anos.

O problema do autista é transformar fatos concretos em raciocínio, 80% dos problemas foram resolvidos no grupo. O tratamento dos corpos espirituais dissociados é importante. Os casos de meninos comportando-se como meninas tem sido tratados com resultados excelentes, só que o número de casos atendidos ainda não permite estatística. Para uma conclusão mais objetiva e científica, é necessário o acompanhamento de mais casos semelhantes. Saber como vai ser tratado um autista, um esquizofrênico, etc.

É necessário, antes de mais nada, o estudo sério de cada caso na esfera científica. Se for por exemplo, autismo, o grupo deve estudar e conhecer tudo sobre autismo, dentro do possível, na esfera do conhecimento médico, psicológico, psiquiátrico. Os diagnósticos devem ser sugeridos pelos grupos. Trocas de informações entre os diversos grupos e assim os quadros estatísticos podem ser realizados. Dessa maneira, 3049 casos foram quantificados. Não conhece, no mundo outro estudo semelhante com tantos casos acompanhados e da maneira como foi feito, durante um período tão extenso.

Nesse estudo estão quantificados casos com problemas só humanos, pessoas esperando e solicitando milagres, moças querendo saber quem seria o futuro noivo, ou sobre o futuro de um modo geral. Pessoas ficam furiosas quando se diz que ali não é lugar para esse tipo de indagação. Outras querem solução para problemas conjugais de separação. Os filhos é que sofrem. Dizem que o seu sofrimento é causado pelos espíritos. Os filhos não podem pagar. Muitas vezes dá vontade de atirar a mãe pela janela, como no caso de um menino de 9 anos acompanhado da mãe. Era um menino rebelde, no dizer da mãe, com problemas de agressividade na escola e com as pessoas. Nesta hora os guias intuem. O filho tinha a aparência de acuado. A mãe falou que o pai é que batia nele. A mãe apertada, confessou que também batia. – "Surro porque ele agride". Os espíritos não tem nada a ver. A criança estava era com medo e insegura.

Ponto número um: Quando os casos são puramente humanos. – O Sr. vai me ajudar a resolver o problema? – Na realidade você é que tem que se ajudar. Depressão é um problema porque há insegurança. Esses casos não são problemas espirituais. São aconselhados passes e modificação interior. Não adianta pedir para os espíritos. Os casos puramente humanos tiveram lugar na estatística.

Ponto número dois: Os médiuns que não querem trabalhar, se desenvolver. - Que droga, que é que eu tenho com essa porcaria? Isso já vem dos Xamans há mais de 50 mil anos. Médiuns que não trabalhavam e por isso tem dormências, visões, dores as mais diversas, stress, agressividade, intranqüilidade, etc. Ora, sabemos que o médium que não exerce sua mediunidade possibilita que qualquer espírito vagabundo chegue e fique. Esses médiuns, com mediunidade não exercida, tem sua cura dependendo de seu livre arbítrio. Pouco podemos fazer por eles, se eles mesmos não querem se ajudar.

Ponto número três: - No mundo atual, uma maravilha é mandar fazer "trabalho" de macumba. Para si mesmo, para outros, entre si, principalmente no terreno afetivo, bem como para os fins mais diversos. Aí estão os centros de feitiçaria, de nação, de magia negra, de vudú, etc. Parece uma brincadeira, na realidade é coisa muito séria. Muita gente cai nessa, faz ou manda fazer, não dá resultado e param. Acontece que deram abertura e os espíritos passam a perseguir. Por essa razão, o

Grupo de magia negra, despachos e feitiços foi colocado à parte. Para estudo de todos esses casos, foram necessários anos e anos de raciocínio, comparação, discussão e cuidadosa análise para fazerem parte da estatística.

Ponto número quatro: Problemas de vidas passadas, todos tem. Porém, será necessário que todos venham a pesquisar as vidas passadas? – Absolutamente não! Só se deve buscar conhecer as vidas passadas se estiverem atrapalhando a atual. Quando se sugere redirecionar a vida, evangelizar-se, submeter-se ao passe e etc. – Não aceitam. Querem uma medida salvadora simples, o milagre sem esforço. – Ou o senhor me atende, me dá atenção, ou nada. Não aceito substituto. – Olha doutor, estou com um peso na cabeça, me disseram que em outra encarnação eu carregava uma pedra na cabeça, isso há 300 anos. – Como vocês estão vendo, isso é balela, conversa. Essa cura não é com os espíritos.

Por outro lado, quando o "Espaço" nos manda fazer, nós fazemos. Temos tido a graça de curas maravilhosas. Casos de esquizofrenia, autismo, câncer, casos de passado, presente, espíritos presos em faixas de passado, etc. Luiz Sérgio nos relata casos de soldados brasileiros presos no tempo, na época da guerra do Paraguai, em estado de desespero, nós temos encontrado e libertado corpos espirituais ainda presos em sarcófagos, até no Egito antigo.

Agora, fingir que se estuda passado; Tem caos que não tem nada a ver. Outros, temos que procurar, estudar, diagnosticar e se for o caso, tratar, harmonizar, etc.

Ponto número cinco: Saber se tem Karma no meio, no sentido de direcionar o atendimento: Por exemplo; saúde. Problema sério de escoliose e artrose. Usou medicamentos, fez tratamento normal na medicina convencional até que não obtendo resultado desejado, após algum tempo, apelou para o "Espaço". Pediu, deram algumas instruções, ficou bom. Seu tempo de sofrimento havia acabado.

Ponto número seis: Curiosidade. – Me disseram que era bom. Quero ver.

Ponto número sete: Pessoas que vieram de outros planetas e encarnaram aqui. Vieram com a missão de ajudar. Por exemplo: Einstein. Tiveram, no entanto 6 casos de espíritos que vieram de outros planetas e não se adaptaram. Num dos casos, o espírito veio de um lugar inferior em elevação espiritual, lugar bem mais escuro. A criança não se adaptava em lugares iluminados. Outro veio de um lugar em que a força, o machismo, o poder bruto dominava. Aqui se encarnaram para aprender e estavam com problemas de adaptação.

A estatística refere-se a todo esse universo, em linha gerais. A estatística desses casos segue métodos científicos. O estudo dos casos era em conjunto. Sempre feitas em rodadas com unificação de técnicas. O grupo de estudo era composto por 150 pessoas em 12 equipes. Cada grupo se reúne uma vez por mês com seu dirigente. Duas vezes por mês, dão cursos para pessoas externas ao grupo. Como norma, só aceitam as coisas, estudando e na base da razão. Estão abertos para visitas, acompanhamento e informações. Com os 3049 casos, chegaram aos seguintes números:

 

 

 

 

Observações: A depressão se manifesta normalmente com insegurança. Vidas passadas, casos com resultados maravilhosos. Tudo foi feito pelo diagnóstico principal. No tratamento depois de atender ao principal, temos que ir, também, ao secundário.

Analisando essa estatística, temos que talvez, mudar até a nossa conduta, tendo o perfil do passado, temos as técnicas apropriadas.

APOMETRIA

Não inventamos nada. Não somos pioneiros. Nunca deixamos de referenciar o Dr. Lacerda. Como bons estudantes, à medida que vamos estudando, vão encontrando novos aspectos. A Apometria é dinâmica, não tem parada. Não pode parar no tempo e no espaço. Por exemplo: uma das coisas que mudaram no tratamento dos magos, magos do tempo de Zoroastro, ligados ao fogo e à magia, daí chamados "magi". A prática constante da maldade, tais como as praticadas por Hitler, Stalin, etc., faz com que esses espíritos sejam dirigidos para o Astral, onde criam as cidades do mal. Temos os magos brancos e os magos negros. A diferença é moral. Conclusão: Todos os espíritos, no decorrer do tempo, querem progredir e avançar. Os magos negros querem avançar. Mais gritam pelo medo do que pela violência. No livro Libertação, Gregório conseguiu atingir a sensibilidade do mago, quando fez o mesmo recordar-se da mãe. O grupo do Dr. Ivã aprendeu a trabalhar sem violência, com tranqüilidade. O grupo deixou de receber ataque das trevas. O mago branco não é espírito de luz. Não maltrata mais. Mas se for preciso dar vergastadas, ele dá. Quando no Astral, entidades adotam formas de dragões, é por questões vibratórias. Por que estar bravo? Por que esta cena? Agindo com tranqüilidade e calma, os renitentes vão embora, pois não sabem enfrentar esse tipo de vibração, sentem que ali tem uma barreira que é intransponível. É necessário a reforma interior. Todo o mundo dar as mãos e subir, a coisa melhora.

Outra técnica: Autismo. Primeiro, entender o que é o autista, entendendo as técnicas médicas com médicos e psicólogos. Muitas vezes, do ponto de vista médico, melhorou. Tem que ser verificado se a melhora não está dentro da evolução da doença. O autista tem dificuldade para falar, alguns voltam a falar. As coisas tem que ser quantificadas. Em certos aspectos, os autistas são um colosso. O problema é modificar o raciocínio e o afeto firmemente. Fazer raciocinar, modificar o afeto, entender as ordens com raciocínio. Neste ponto é que poderemos aquilatar se houve melhora. No caso de Esquizofrenia. Dissociam o pensamento, paradas súbitas, manifestações paranóicas. Isso é que tem que ser modificado. Em certas doenças, sabia-se o diagnóstico, algo acontece que conseguiu a cura. Certas coisas pararam porque o Karma acabou. Não aceitar as coisas a priori.

A grande verdade: A Apometria é um passo maravilhoso. Dr. Lacerda foi sempre a favor da pesquisa e técnicas. Surgirão uma porção de coisas novas. Temos de verificar, comprovar.

Nota: Embora o diagnóstico principal muitas vezes não indique tratamento, o diagnóstico secundário pode ser motivo preponderante para que o tratamento seja feito. No mundo de hoje não será exagero se afirmarmos que em torno de 70% das pessoas estão sofrendo de algum tipo de depressão.

DEPRESSÃO

Psicose: Perda de contato com a realidade.

Dividem-se em 3 grandes categorias:

1. Esquizofrenia. Resposta emocional escassa, conversação desconexa e falta de vontade para agir, falsa noção a respeito de si próprio (paranóide). Alucinações e catatonia.

2. Síndrome maníaca e maníaco-depressiva (bipolar). O próprio nome define a sintomatologia. Atividade excessiva, logorréia, conduta destemida, planos grandiosos, conversas com Deus. São manifestações da fase maníaca. Na fase depreciva, o grande perigo é o suicídio. Paranóia. Delírios de grandeza e persecutório. Várias formas clínicas. Pode existir na ausência de esquizofrenia ou distúrbio de conduta. Pode ter base lógica.

3. Depressão. Conhecida como grande depressão ou depressão clínica. Insônia, perda de apetite, indecisão, letargia, sentimento de culpa e de confusão, auto-piedade e tristeza profunda. Pode interferir na conduta pessoal, inclusive no trabalho, sexo e outros aspectos. Neurose. Este termo é empregado para caracterizar enfermidades mentais onde não há perda de contato com a realidade. São numerosas e, por vezes, tidas como condutas normais em outras sociedades. Relembrar os estados alterados de consciência (M. Eliade) e iniciação sexual. Recordemos algumas delas:

Obsessiva-compulsiva. Excesso de limpeza, violência, etc.

Dissociação de personalidade. Lembrem das "As Três Faces de Eva".

Sexual. Sadismo, masoquismo e exibicionismo.

Ansiedade ou pequena depressão. Praticamente a mesma sintomatologia da grande depressão, sem perda de contato com a realidade. A síndrome do pânico está incluída aqui.

NOSSO TRABALHO

De abril/89 a outubro/97, atendemos 3109 pacientes. Há 2 meses, oito membros do Grupo, vem realizando cuidadoso levantamento visando obter dados estatísticos significativos, face a dimensão da amostra, com relação a etiologia, fisiopatologia, terapêutica e resultados alcançados.

Portanto, utilizaremos resultados provisórios, passíveis de correção.

Temos a impressão de que 70% dos pacientes atendidos, são portadores de neurose ansiosa (pequena depressão), em diferentes graus de gravidade, predominando a sintomatologia de confusão, indecisão e tristeza profunda. Início na infância. Raros casos de psicose. São enfermos que andam de Heródes para Pilatos, sem encontrar alívio. Muitos são médiuns que, por ignorância ou desleixo, não trabalham, agravando seus males pela ação de espíritos erráticos. Outros realizam trabalhos na quimbanda e chegam com cobrança porque se afastaram. Casos existem que apresentam complicações de vidas passadas. É possível a presença de etiologias múltiplas no mesmo caso.

Necessitam atendimento psicológico ou psiquiátrico. Espiritualmente, o tratamento apométrico será executado com técnicas próprias para cada situação. Para ilustrar esta apresentação, descreveremos dois casos de síndrome do pânico:

1. Casal pede atendimento para a filha de 3 anos, portadora de terror noturno. Entidades de quimbanda assustavam a menina mas queriam atingir a mãe. Interrogada, diz ser muito feliz. Filha única de casal abonado. Casamento muito feliz, mas confessa que desde os 15 anos sofre de pânico e há 5 anos, não sai sozinha. Nada no passado. Não é portadora de mediunidade exuberante. O desdobramento múltiplo de corpos, mostra o 4.o corpo, dizendo odiar a mãe e o 5.o corpo acomodando a situação. Só então conta que seus pais, assustados com a doença da mãe, apelaram para a quimbanda. Perderam parte dos bens e ele ficou sem as bonecas e móveis do quarto. Ia fazer 15 anos e a comemoração foi triste. Início da doença. Briga com a mãe até hoje mas a ama muito. Tratamento como acima indicado. Está muito melhor. Controle de 7 meses.

2. Senhora de 27 anos, sem antecedentes mórbidos, conta que, há 3 anos ao atravessar uma passarela, na cidade onde reside, ao chegar ao topo da mesma, ficou paralisada e em pânico total. Conduzida para sua residência. Nunca havia cruzado tal passarela. O grupo sentiu estar o fato relacionado com desastre aéreo em vida anterior a esta. Instada, diz que, de fato, lá do topo, viu o avião que existe lá embaixo na praça e sentiu-se mal. Tratada, sente-se bem melhor. Controle de 8 meses.

CASUÍSTICA

A comprovação científica de qualquer fato ou fenômeno exige a sua reprodutividade, pois somente assim a causalidade será estabelecida. Isso no mundo descarteano-newtoniano.

No universo quântico, isso não é possível, pois a incerteza é a regra e a probabilidade o único caminho a seguir.

Os físicos estão tentando unir os dois campos mas ainda não o conseguiram.

Portanto, sempre que lidamos com fenômenos que incluem fatores que não possam ser materialmente comprovados, tais como: psiquismo e espírito, torna-se impossível manter o princípio clássico da causalidade. É o que ocorre com a Psiquiatria e com os fenômenos ditos paranormais. Isso não impede que, para cada caso, seja organizado um prontuário, contendo os dados essenciais, procurando registrar, no "follow-up", os fatos ocorridos, buscando estabelecer padrões de comportamento que, face sua constante reprodução, demonstram que sua veracidade pode ser comprovada, através do calculo de probabilidades.

Aparentemente, a solução é simples, mas na realidade isso não ocorre porque o ser humano, objeto de nosso estudo, ainda é decomposto em corpo e alma, graças a conceituação descarteana, não havendo conexão entre ambos. Verdade é que, atualmente, muitos estudiosos admitem a interação deles, chegando alguns a afirmar a predominância do psiquismo (alma ou espírito).

No estudo teórico, cremos ter demonstrado que, nossa escola espiritualista, entende que as manifestações físicas decorrem da atividade espiritual. Esta é resultante das ações desenvolvidas nesta encarnação e dos compromissos assumidos nas anteriores (Karma). Daí a necessidade de, durante o atendimento do paciente, realizar cuidadoso estudo das ocorrências da encarnação atual, desde a vida intra-uterina, pois aí vamos encontrar a origem de muitas enfermidades, psíquicas ou físicas, ligadas ou não, ao Karma. Assim, poderemos entender muitos casos de depressão, magia negra, mediunidade mal exercitada ou não conhecida, problemas humanos e outros. Quando conectados com vidas anteriores, as mesmas serão revisadas dentro de nossos métodos de trabalho e não POR simples regressão, empregada POR psiquiatras ou psicólogos.

Sempre que problemas humanos estejam presentes, aconselhamos acompanhamento médico e/ou psicológico.

Muitos pacientes apresentam duas ou mais condições mórbidas, concomitantes, sendo necessário distingui-las para trata-las adequadamente. Também é freqüente sermos procurados por pessoas portadoras somente de problemas humanos, julgando serem obsedadas por espíritos, desconhecendo nosso trabalho, buscam soluções pessoais. Os curiosos não deixam de comparecer. Raramente, as dificuldades das pessoas residem em uma única causa. Isso causa consideravelmente a dificuldade de classificação itiológica, obrigando o uso do quadro clínico principal como diagnóstico, sem ignorar as demais facetas do caso.

Para exemplificar, tomemos o caso da pessoa portadora de problemas humanos, mediunidade não exercida e magia negra. Elaborado o diagnóstico, poderemos ajudar a resolver as facetas espirituais, mas não as questões humanas, as quais devem ser encaminhadas para tratamento médico ou psicológico.

Por outro lado, não podemos esquecer que o livre-arbítrio é fundamental, sendo indispensável a adesão integral, do paciente, para possibilitar a cura. Às vezes, existem condições cármicas que ainda não poderão ser removidas, total ou parcialmente, permitindo, no máximo, a melhora do enfermo. Seremos notificados pelo Espaço.

Do exposto, fácil é deduzir que milagres ou exceções, não existem, sendo a Lei executada até o resgate do último ceitil, como ensinou Jesus. A pena poderá ser aliviada, caso o amor cubra a multidão de pecados.

Infelizmente, a grande maioria dos que nos procuram, querem o milagre ou a exceção, o que não existe. Desejam, muitas vezes, saber de seus negócios, amores e/ou fatos relacionados à vida pessoal, demonstrando completa ignorância do trabalho que realizamos.

A Apometria é por nós empregada, sendo indispensável ler "Espírito e Matéria, Novos Horizontes para a Medicina", do Dr. José Lacerda de Azevedo, para entender as bases fundamentais da mesma e, conseqüentemente, nossa maneira de agir, inclusive o emprego de algumas técnicas descritas após sua publicação, mas que obedecem às Leis, lá enunciadas. O Desdobramento Múltiplo dos Corpos, como foi descrito por J.S.Godinho em "Apometria", é um deles.

Quanto ao que entendemos por mundo espiritual e como interagir com ele, faz parte de nosso estudo teórico.

Essa tem sido nossa conduta, a partir de 09/04/1989, quando iniciamos a feitura de prontuários, onde são relatados os históricos dos pacientes, desde a primeira até a última consulta.

Desde então, até 31/10/1997, atendemos 3049 pacientes, cujos prontuários foram revisados, de janeiro a março de 1998, por um grupo de trabalhadores da Casa, sob minha orientação.

Nossa preocupação inicial foi estudar caso a caso, verificando a possibilidade de estabelecermos um código de enfermidades espirituais, pois não conseguimos encontrá-lo na enorme literatura espiritualista, nacional ou estrangeira.

Finalmente, concluímos ser possível comprovar a existência de quadros clínicos comuns a uma série de casos, permitindo reuni-los sob um diagnóstico comum. Como muitos enfermos enfeixam vários diagnósticos, foram grupados pelo principal, deixando os secundários para estudo posterior.

A classificação aqui estabelecida, decorre de uma tentativa inicial, devendo sofrer modificações no futuro. Do cuidadoso exame procedido, concluímos que os diagnósticos principais poderiam ser agrupados nas seguintes categorias: 1. Problemas humanos. 2. Mediunidade. 3. Quimbanda.

4. Vidas passadas. 5. Saúde. 6. Harmonização e passe. 7. Curiosidade. 8. Outros planetas.

É de acentuar que, a maioria dos pacientes, poderiam ser enquadrados em mais de uma categoria diagnosticada, mas destacamos apenas a principal, embora tratemos todas.

Como o uso de drogas, presença de magos negros, ação cármica e outras situações especiais, ocorrem em casos, cujo diagnóstico principal se enquadra na classificação acima, serão descritos quando presentes, possibilitando estatística própria.

 

 

 

 

A soma dos porcentuais atinge 95,6 % dos casos estudados, pois calculamos apenas até a primeira casa decimal.

A estatística que 30,5% dos atendimentos feitos, foram para pessoas que não apresentavam problemas espirituais, isto é, não eram portadores de obsessões, mediunidade com sintomatologia, quadro de vidas passadas atuando no presente ou enfermidades de origem cármica. Evidente é que, por vezes, espíritos de abortos praticados, por exemplo, provocam sintomatologia nítida, mas a mesma decorre de ação da própria pessoa, geralmente praticada e mantida por ignorância. Mesmo após esclarecimento prestado, grande maioria mantém a atitude anterior. Outras vezes, choques emocionais ou físicos, na vida intra-uterina ou posterior, desencadeiam quadros clínicos que necessitam tratamento psiquiátrico e não espiritual. Constelações familiares reúnem espíritos inimigos, visando a reconciliação do conjunto, sem qualquer outra perturbação espiritual. Pode ser tentada a harmonização, mas ela depende da concordância dos participantes. Freqüente, na relação pais/filhos e separação de casais com repercussão nos filhos. Outras situações poderiam ser citadas, mas preferimos encerrar este item, afirmando que, a neurose depressiva, está presente na quase totalidade destes enfermos e que somente eles poderão curá-la. A psiquiatria e/ou espiritualismo são auxiliares poderosos, mas o livre-arbítrio existe.

Os pacientes curiosos e aqueles que não necessitam mais do que harmonização e passe, não tem razão para consulta espiritual. Somando os consulentes dessas três categorias, teremos 39.3 % de todas as consultas realizadas.

Esses enfermos poderão melhorar, ou curar, com tratamento psicológico e/ou espiritualista (estudo continuado, crescimento espiritual e freqüência aos passes.

Em nossa estatística, 20,2% dos casos, apresentam, como diagnóstico principal, quadros clínicos relacionados com a mediunidade, geralmente conhecida do paciente, negando-se ele a exerce-la ou ainda dela não tomou conhecimento. Os sinais ou sintomas de mediunidade são conhecidos e estão descritos há mais de 50.000 anos. É de acentuar que, a neurose depressiva, ocorre com muita freqüência, muitas vezes agravadas por problemas humanos, não bastando o exercício da mediunidade para curá-la, o que não é entendido por muitos médiuns.

Quando vem a consulta, esses pacientes podem estar rodeados de espíritos erráticos, que um vidente pode tomar por obsessores, quando na verdade estão divertindo-se, pois o enfermo não sabe como defender-se. Basta desenvolver corretamente a mediunidade para que tal quadro desapareça e não retorne, caso seja realizada desnecessária desopressão.

O único tratamento adequado, consiste em educar corretamente a mediunidade, efetuando curso teórico-prático, em centro de reconhecida capacidade.

Uma vez médium, toda vida o será. Não é possível extirpar a sua mediunidade. Não exercida, provocará sintomatologia peculiar a cada um, por vezes leve, por vezes severa. É de acentuar que todos possuem mediunidade, mas em grau variável, daí porque muitas pessoas negam serem médiuns, pois nada sentem, Nesse caso, ao participarem de uma corrente espiritual, fornecem ectoplasma que será utilizado pelo espaço.

O diagnóstico principal, para 19 % dos casos, é o de envolvimento com a "esquerda", isto é, quimbanda, candomblé, umbanda cruzada e nação, além de outras denominações pouco usadas em nosso meio.

Numerosas pessoas procuram a "esquerda", para resolver assuntos pessoais, desde a tentativa de melhorar a própria vida, vingança de desafetos (incluindo a morte do mesmo), troca de vida (doença grave), amores mal resolvidos, etc. Não vendo resultado positivo ou uma vez realizado o "trabalho",

Não mais retornam ao "terreiro", que freqüentavam. Passam a ser perseguidos pelos guias do mesmo, pois não admitem que isso ocorra sem prévia licença.

Muitas vezes, pessoas que nunca freqüentaram esses locais, são vítimas de "despachos", feitos por inimigos. Também acontecem troca de "trabalhos", entre dois ou mais indivíduos. Devemos esclarecer que, vezes há, em que a intenção é positiva, buscando ajudar alguém. As "oferendas" são para agradecer algo alcançado.

Recebemos, com certa freqüência, a visita de pais e filhos de santo, que vem ao Grupo para conhecer e trocar idéias, pois estão satisfeitos com o trabalho que realizam.

Nossas equipes de trabalho, desde que o consulente o deseje e a permissão do "ALTO" concedida, estão aptas a desfazer qualquer tipo de "trabalho" realizado. Algumas das equipes estão particularmente aparelhadas para atender casos mais complexos. A "limpeza" é feita com a concordância das falanges da "esquerda" envolvidas, mediante entendimento e esclarecimento. A violência nunca é empregada. Às vezes, face a comprometimento do paciente, não é possível atendê-lo.

Sendo a reencarnação, o método evolucionário universal, lógico é que todo o ser humano, tenha normalmente, inúmeras encarnações anteriores. Sabido é, inclusive por psiquiatras e psicólogos, que é possível, através de vários métodos, rever algumas delas. Daí o modismo atual, sendo usada para satisfazer curiosidade ou tentando resolver problemas humanos, atribuindo-os a provável etiologia cármica.

Nosso estudo, no entanto, mostra claramente que somente 9,7 % dos pacientes demonstram comprometimento com o passado, capaz de produzir sintomatologia, por vezes severa, na vida atual. Evidentemente, decorrem do Karma individual, podendo, com o tratamento, geralmente longo, melhorar ou curar, dependendo isso do mérito do paciente. Não esperar a regressão de lesões consolidadas, o que poderá ocorrer eventualmente.

Atendemos 7,2 % de enfermos, portadores de problemas de saúde, com doenças físicas graves, por vezes de origem cármica.

Face orientação recebida, há três anos, criamos e desenvolvemos equipes especializadas no atendimento a saúde, ficando elas, responsáveis pela área, com resultados surpreendentes, os quais serão oportunamente relatados.

Felizmente, ainda existem pessoas que necessitam apenas harmonização e passe. Correspondem a 6,3 % dos casos. São aconselhados a estudarem espiritualismo e tomarem passes, como fonte de energização. Isso não impede que tenham problemas humanos, origem de suas consultas.

Finalmente, em 0,2 % dos casos, a única explicação encontrada foi de serem habitantes de outros planetas, aqui trazidos para aprendizado. Todos eram menores de 7 anos e tinham dificuldade de adaptação à vida normal. Com o tratamento, todos curaram.

Allan Kardec e a tradição espiritualista, confirmam a possibilidade de troca de seres entre os sistemas planetários.

Voltamos a insistir, porque julgamos fundamental, que na grande maioria dos casos, os consulentes apresentam, além de vários envolvimentos por eles mesmos. Do total dos pacientes atendidos, certamente, no mínimo, em 70 % dos casos, ocorre o acima afirmado, predominando os casos de neurose depressiva. É de registrar a alta incidência da mesma entre jovens e crianças.